Sem paciência!

Não vou mais ter paciência com certas coisas, não porque me tornei arrogante, mas simplesmente porque atingi um certo em minha vida onde não quero mais gastar tempo com o quem não me agrada ou me machuca. Não tenho mais paciência para cinismo, críticas excessivas, ou qualquer demanda fútil de qualquer natureza. Perdi a vontade de agradar quem não gosta de mim, para amar que não me ama, para sorrir pra quem não sorri para mim.

Não gastarei um único minuto para aqueles que mentem, ou querem me manipular, decidi não coexistir mais com pretensão, hipocrisia, interesse, desonestidade e elogios baratos. Não tolero mais erudição seletiva, arrogância acadêmica ou intelectual.

Não vou ajustar um milímetro para ser aceito, odeio conflitos ou comparações. Acredito num mundo de opostos e é por isso que evito pessoas intransigentes e com personalidade inflexível, falta de lealdade e traição. Não quero a presença de pessoas que não sabem dar um elogio sincero, ou um encorajamento.

Exageros me aborrecem, cansam e chateiam. Tenho também dificuldade em ter alguma consideração em pessoas que não gostam de seus pais e de animais.

Pra fechar, o mais importante de tudo, não tenho paciência com ninguém que não mereça minha paciência.

 

O custo da liberdade

O custo da liberdade que me refiro aqui não é àquele de uma pessoa que está detida, que está em uma penitenciária, ou prisão provisória, pelo menos não em uma prisão física.

Mas a pessoa que tem ou não liberdade de opção, de julgamento, de escolha e de juízo, de tudo aquilo que se faz e tem um custo, a responsabilidade implícita. O maior patrimônio de cada cidadão é a liberdade, a decisão que faz sobre si mesmo, de si mesmo e por isso há um certo medo à liberdade. Uma vez que, quem livre é precisa saber que a responsabilidade do resultado das escolhas que faz é da própria pessoa que as realiza.

George Bernard Shaw, dramaturgo, romancista, contista, ensaísta e jornalista irlandês, Nobel de literatura em 1925, com seu clássico “Homem e Super Homem”, dizia que; “liberdade significa responsabilidade, por isso que tanta gente tem medo dela”. Ou seja, avocar, defender, combater é ser verdadeiramente livre, assumir a responsabilidade daquilo que fala, acredita, defende e pratica, por isso a liberdade não pode ser leviana ou frágil.

Muita gente, disso tem medo, não seja um destes, assuma suas responsabilidades para que seja de fato livre.

De volta para o futuro

Se você pudesse voltar no tempo e mudar uma coisa na sua vida, você mudaria?

Já se perguntou se não são esses momentos que nos fazem? Que formam quem nós somos. Ou você acredita que somos nós que fazemos os momentos em nossas vidas?

Se mudasse, pode afirmar com certeza absoluta que essa mudança tornaria você e/ou sua vida melhor(es)?

Essa momento que pode querer tanto mudar, não acabaria acontecendo novamente mais cedo ou mais tarde? Não acabaria magoando alguém?

Escolheria mesmo um caminho totalmente diferente? Ou mudaria uma coisa apenas, um único momento talvez.

Aquele momento que você sempre quis trazer de volta porque não soube aproveitar.

É assim que a gente cresce, infelizmente.

Adeus vovó!

Um ano atrás aproximadamente nós nos vimos e saber que hoje você se foi, me trouxe sensações que por ingenuidade achei que tinha vencido.

Um ano atrás, ver uma pessoa tão amada sofrendo, me trouxe tantos sentimentos ao mesmo tempo, de tristeza, de injustiça, de compaixão, de arrependimento, de culpa… ao ponto de me deixar literalmente sem chão.

A pessoa que você sempre foi, desprovida de qualquer preconceito e indiferença, me faz ter um ótimo exemplo de como encarar a vida.

Uma das lições mais simples, que nunca esqueço, sempre lembro, foi a de que quando me servisse de alguma refeição, o fizesse sempre pelo mesmo lado, ou sempre pelo lado que já tivesse sido utilizado.

Confesso que me sinto lisonjeado, por ter sido aquele neto conhecido pela família inteira, por ter feito quando bebê xixi na sua cara, me desculpa? Foi sem querer, foi mais forte que eu! Naquela época, acho que eu não conseguia segurar…

Ou quando adolescente que fingi passar um trote, falando besteira, acho que foi uma cantada, e ouvi a senhora me mandar pra “puta que pariu”! Como esquecer disso?

É tão difícil dizer adeus, queria tanto poder lhe pedir desculpas por não ter tido a oportunidade de ir visita-la mais vezes.
Parece que foi ontem que estávamos sentados juntos, no mesmo ambiente, me disse o quão orgulhosa estava e falou para suas visitas que eu tinha puxado a sua beleza.

Queria poder te abraçar mais uma vez, acho que afastaria toda a dor, agradeceria por tudo o que fez, não há nada que eu não faria para ouvir tua voz de novo.

Hoje me sinto destruído por dentro, mas não admitiria, queria apenas me esconder, é tão difícil dizer adeus quando chega a hora.

Só não desisto, porque sei que não sentiria orgulho nenhum dessa attitude.

Obrigado, por tudo! 😥

Você!

Tenho algo para dizer: enfim, livre!

E sentir-se assim é tão estranho em alguns momentos… Olhar pro lado e ver que não tenho nada que me prende, que nada mais me segura pra voar baixo. Por fim, acredito na expressão “estou feliz” e  consigo pronunciá-la saboreando!

Tudo me levou a pensar que seria impossível, sentir-se bem,  e que sentir-se feliz, que nunca seria completo se eu não tivesse alguém. Posso contar uma coisa? Me deixei enganar, estou bem e você, não faz falta! Na verdade, acho que nunca de fato fez! Nunca pensei em escrever algo assim libertador, talvez pelas amarras que a sociedade atual nos impõe, este post falando sobre outra coisa além de você, mas o “você”, hoje, sou eu.

O post é sobre minha felicidade, o “você” não faz parte disso, perdeu a forma, a cor, o nome e a mim.

Me escondi por muito tempo por vários motivos, chorei até não ter mais lágrimas, por fim, simplesmente cansei. Minha vida agora tem vida, eu tenho vida! Acabou a empatia por músicas melancólicas, pra alguém que não se importava e ainda zombava.

Estou vivendo tudo tão intensamente, compensando todos esses anos de vida e sem ninguém do meu lado, ninguém me dizendo o que fazer, nem pai, nem mãe, nem você. Estou vivendo cada segundo, sorrindo com a boca cheia de alegria e não para disfarçar o que eu tenho sentido, porque não tem mais o que disfarçar, muito pelo contrário, quero mostrar pra todos que sou feliz.

Quero que vejam a mudança que eu sofri… E claro, mudar me fez sofrer e crescer.

Em um amontoado de situações e de pessoas, que se foram e chegaram eu me encontrei, antes, encolhido em um canto sujo e empoeirado, lá estava eu, enquanto a vida toda passava pela janela.

Descobri que era burrice, sabe? Essa parada de sempre procurar um motivo pra ficar triste, de se colocar em segundo plano e esperar que a vida por si só traga algo novo, alegre, emocionante… Eu descobri que a tal felicidade da gente só depende da gente, embora redudante, na prática é muito complexo, principalmente quando não se usa de nenhum outro artifício, como remédios, bebidas, drogas etc. Descobri que não preciso de companhia pra me sentir bem e que se sentir bem é um estado de espírito, literalmente!

Não existe receita, ou fórmula para isto. Confesso que descobri também que não sei ser feliz, pode?! Eu não sei acordar e não ter aquela incerteza no peito, eu não sei prostrar a cabeça no travesseiro e pensar se fui feliz no dia que findou-se, em compensação, estou descobrindo como é acordar, e pensar, dizer interiormente “hoje o dia está lindo e eu não tenho ninguém”.

E isso não é ruim, muito menos triste! Porque o fato de não ter ninguém é muito melhor do que viver triste por alguém que te diminui, consome, é muito melhor do que ter alguém incerto, inseguro e que te machuca rotineiramente.

Sabe, nunca tinha visto o mundo dessa forma, nunca tinha nem sequer imaginado um mundo sem dor.

Pois se por acaso você quer saber, hoje sou indolor e tem sido maravilhoso. Não há mais motivos pra ficar triste e isso é grandioso, eu sinto tudo e o tudo não me sufoca, o tudo faz parte da vida! Sei que falar de amor ficaria muito mais bonito e muito melhor, mas escrever sobre o oposto é muito mais desafiador, sobre como estive triste e como a minha vida esteve ruim.

Me dei conta que não consigo me aprofundar na tristeza que você me causou, porque eu não te amava tanto assim, na verdade tudo o que senti e passei, teria que passar de qualquer forma e você, foi só um personagem…

Moço, perdão mas essa tristeza não me pertence não. Deve ser de outra pessoa, a minha está em uma lata de lixo, dentro de uma caixa escrito “Você e tantos outros”.

O que escrever?

Quando senti que precisava escrever um novo ‘post’, não fazia a mínima que assunto abordar. A dúvida, não era por escassez, muito pelo contrário, pela a quantidade de acontecimentos relevantes que me chamaram a atenção nestes dois meses e meio deste ano.

De um lado os fenômenos espaciais que desde minha infância, eram objeto da ficção científica, meteoros, cometas… Os flagras no céu da Rússia que poderiam dar conta de qualquer cena de filmes do gênero como “Independence Day”, “Um Dia Depois de Amanhã”, e por aí vai.

A corrupção que ainda assola esse país, onde infelizmente a maioria dos governantes não procura de fato o bem estar da população. A culpa, é nossa, que votamos por conveniência, não cobramos resultados… Por outro lado, uma população ignorante, que não tem educação de qualidade como o poderia fazer?

O possível confronto dos Estados Unidos e a Coréia, que ao afirmar ter armas atômicas, se tornou “inimigo do mundo”. Só os Estados Unidos as podem ter… E parece que a imparcial Organização das Nações Unidas aprova a ideia.

A seca que mais uma vez começou a demonstrar no “país tropical” que as obras super faturadas e mal planejadas do Rio São Francisco farão muita falta, lugares inabitáveis, onde nada se desenvolve, por não haver uma gota de água.

E o Bento XVI? Uma renúncia que não cola, pelas justificativas dadas, uma vez que o “cargo” é vitalício. Notícias pipocando por todos os lados demonstrando a política, jogo de interesses por trás da maior organização religiosa do mundo.

O tiro no pé da Apple que ao processar a Samsung, desgastou a própria imagem e começou a atestar que o processo  em si era uma justificativa para a falta de capacidade de inovar de fato, do iPhone 4 ao 5, as mudanças foram efêmeras.

Queria tanto falar muito de cada um destes pontos, mas estes já estão bem sabatinados e de certa forma não são surpresa.

Prometo, vou escrever mais seguido!

Sim, somos preconceituosos!

Partindo do pressuposto que somos impacientes, talvez preguiçosos, buscamos explicações rápidas e fáceis, sempre colocando-nos em um grau de superioridade, no qual obviamente inferioriza os demais, chegamos assim a estas conclusões precipitadas.

Essa forma de “pensar”, que na verdade não implica verdadeiramente pensamento algum, é o vício que nos conduz a conceitos prévios, pré-conceitos, os preconceitos, sem ter conhecimento acerca do assunto ou experiência própria.

Como Francis Bacon  já definia, o preconceito – um conceito que você já tem antes de experienciar algo – que influencia na sua observação ou conclusão. Ou seja, se você não viveu, não há de fato conceito, só “achismo”.

Infelizmente nosso raciocínio começa sempre por problemas, nunca pela observação. Falando de forma genérica, ficamos presos em nossos conceitos, nos recusamos a enxergar ou “aceitar” verdades que os contradigam. No extremo, justificam genocídios, homofobia, racismo, machismo, feminismo, regionalismos… E outro punhado de preconceitos velados por aí.

Nossa visão do mundo é sempre uma visão imersa em teoria, infelizmente.
E é um baita esforço não ser assim…

Por muitas vezes acabamos vivendo em um estado inerte, indolente, com princípios equivocados, que nos impede de viver além do nosso umbigo, nos colocando adormecidos.

Acabamos valorizando as pessoas depois que não estão mais disponíveis, entre nós, ou interessadas em nós, por termos perseguido uma vida aparentemente sem sentido, individualizados por buscas sem benefício algum, o eterno casamento entre o conformismo e consumismo, pelo simples motivo de sermos “diferentes”, na busca de sermos superiores de alguma forma.
A ânsia de sermos classificados dentro do “bom” preconceito.

Não sei se é possível ser diferente hoje em dia, mas acho importante rotineiramente se dar conta de que o mundo que vivemos na maior parte do tempo não é real e totalmente passageiro.